| | |

Guia do C√£o - Portal informativo sobre c√£es, gatos e outros animais.

Condi√ß√Ķes de utiliza√ß√£o

Porque achamos os cachorros, gatinhos e bebés irresistíveis?

Por: Guia do C√£o


Certamente j√° sentiu uma atra√ß√£o irresist√≠vel por um cachorrinho, um gatinho e, se n√£o por estes, por um beb√©. Mas j√° se questionou porque √© que nos sentimos imediatamente apaixonamos por beb√©s de quase todas as esp√©cies? A ci√™ncia encontrou a resposta, h√° mais de 60 anos, pelo pr√©mio Nobel, o Dr. Konrad Lorenz. 


A raz√£o da atra√ß√£o que sentimos por criaturas beb√©s √©, no entanto, uma vantagem evolutiva. De acordo com muitos et√≥logos, os tra√ßos juvenis fazem com que os pais, e outros adultos, sintam a necessidade ou o impulso de cuidar dos pequenos, aumentando assim possibilidade de sobreviv√™ncia destes. 


Konrad Lorenz, um dos pais da etologia, a ci√™ncia que estuda o comportamento animal, postulou o conceito de ‚Äúbaby schema‚ÄĚ. De forma simplificada, sentimos uma afe√ß√£o por animais com caracter√≠sticas juvenis, como olhos grandes, cabe√ßas arredondadas, queixos retra√≠dos - tra√ßos que os tornam, aos nossos olhos, irresist√≠veis. O termo ingl√™s ‚Äúcute /cuteness (fofinho)‚ÄĚ foi escolhido por Konrad Lorenz para explicar este modelo de atra√ß√£o.


Algumas esp√©cies, mesmo em adultos, mant√™m caracter√≠sticas e tra√ßos juvenis durante a vida. Neotenia, o termo cient√≠fico que significa a reten√ß√£o de caracter√≠sticas da forma juvenil num adulto, pode ser verificadas em muitas ra√ßas tornando-as "mega fofinhas". √Č, por exemplo, o caso dos pandas. 


Mas se procura exemplos nos nossos patudos, pense em ra√ßas como os Pugs. 


Quais s√£o os problemas modernos? 

Muitas adop√ß√Ķes, ou compras de animais, s√£o feitas tendo por base este nosso impulso gen√©tico. Nessa situa√ß√£o n√£o nos devemos esquecer da responsabilidade que adoptar, ou comprar, um pequeno c√£o, gatinho ou coelhinho constitu√≠. Por isso da pr√≥xima vez que sentir o impulso, lembre-se que h√° responsabilidades e cuidados necess√°rios, que implicam tempo, dinheiro e disponibilidade. Esta √©poca do Natal, muitos pais oferecem, aos seus filhos, animais de companhia que brevemente come√ßar√£o a perder o efeito de fofura. Ter a consci√™ncia do processo ajuda-nos a preparar para amarmos os nossos companheiros de quatro patas independente da sua forma adulta e a reduzir o abandono. Crie la√ßos duradouros com estes companheiros de quatro patas e n√£o os abandone.


Se gostou deste artigo, partilhe-o, e conte-nos como comprou/adoptou o seu patudo. 


Fonte 1: 

Morris, Reddy, Bunting ‚ÄúThe survival of the cutest: who‚Äôs responsible for the evolution of the teddy bear?‚ÄĚ Anim. Behav. 1995 James Serpell ‚ÄúThe domestic dog‚ÄĚ. Cambridge University Press 1995 

Fonte 2:

https://www.psychologytoday.com/blog/caveman-logic/201108/why-do-we-care-baby-animals 

Fonte 3: 

http://www.bbc.co.uk/guides/zc8bgk7


Leia também:

Apoios institucionais


Creative Commons License

Guia do C√£o © by OneGlobalHealth Consulting is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.